Carlos Vidal

Carlos Vidal é artista, crítico e professor na Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa. É doutorado em Belas-Artes/Pintura pela Universidade de Lisboa e Professor Agregado da mesma faculdade, sendo ainda membro da Academia Nacional de Belas-Artes.

Como artista plástico, participou em destacadas colectivas da década de 90 em Portugal e exterior e publicou vários livros sobre arte e teoria estética (destacando): Sombras Irredutíveis: Arte, Amor, Ciência e Política em Alain Badiou; Deus e Caravaggio, ambos Lisboa, Vendaval; Invisualidade da Pintura: Uma História de Giotto a Bruce Nauman (todos editados em Espanha: Madrid, Brumaria; a 3ª edição de Deus e Caravaggio saiu em inglês, God and Caravaggio, 2020).

Participou em livros colectivos, destacar-se-á trabalho para Over Here: International Perspectives on Art and Culture, New Museum of Contemporary Art de Nova Iorque (The MIT Press, 2004, 2ª edição em 2007) e prefácios para livros de Alain Badiou e Hal Foster.

Interesses de investigação

Arte politizada, arte política; arte e estética ou arte e inestética (segundo Alain Badiou, em defesa dos conceitos produzidos na/pela arte); política; música (de Bach à atualidade, sobretudo interesse pelo “caso Wagner”); barroco italiano e espanhol, sobretudo pelo espanhol (o barroco em Sevilha, todas as dimensões do Siglo de Oro: do misticismo à pintura – investigação e obra publicada em Espanha sobre Murillo e Velázquez); teorias da vanguarda; arte contemporânea, arte atual (crítico de arte do “Público” desde o número “0” e no primeiro ano do periódico).

Publicações mais recentes

[2024] Vidal, C., & Carvalho, V. (no prelo). Ana Mendieta: Una cartografía completa entre arte y mito. Brumaria.

[2024] Vidal, C. (no prelo). Vida singular y esfuerzo de construcción laica del infinito (o el acontecimiento laico). Revista Acontecimiento, 3. Lima, Peru.

[2023] Vidal, C. (2023, novembro 9). Mário Cesariny: A autonomia livre e o acontecimento da criação [Comunicação]. Colóquio internacional «A catástrofe do estabelecido: ucronia e acronia em Mário Cesariny». Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (CLEPUL), Lisboa.

[2023] Vidal, C. (2023). O acontecimento Caravaggio. Relicário.

[2023] Vidal, C. (2023). O Ring de Bayreuth 2022, 2023… (É possível desteologizar Wagner?). Electra 22 [EDP / MAAT].

[2023] Vidal, C., Reis, P. C., Queiroz, J. Bahia, A. (2023, agosto 27). Apresentação do livro «O acontecimento Caravaggio» [Mesa-redonda]. Lisboa.

[2022] Vidal, C. (2022). Caravaggio as an event: How to use Badiou’s categories in painting / 作为事件的卡拉瓦乔:如何在绘画中使用巴迪欧的范畴. Research on Marxist Aesthetics/ 马克思主义美学研究, 24, Escola de Media e Cultura Internacional, Universidade de Zhejiang.

[2022] Vidal, C. (2022). Século de Ouro: Da República Florentina ao Pós-ready-made (O Manual). FBAUL.

[2021] Vidal, C. (2021). 30.000 anos de desenho: Origens e século XXI. Contemporânea, 6(1). https://contemporanea.pt/loja/contemporanea-6

[2021] Vidal, C. (2021). As quatro invisualidades: De Velázquez a Richard Wagner. Saguão.

[2021] Vidal, C. (2021). Fausto Pessoa Mahler Veni Creator. In G. Anghel, F. Guerreiro, & P. Martins (Orgs.), Central de poesia IV: O Fausto de Pessoa e outros. Edições Húmus.

[2019] Vidal, C. (2019). Imágenes, Madonnas e Inmaculadas: Iglesia, dogma y anticlasicismo de Rafael a Murillo (con Caravaggio). In P. G. Romero, L. Montiel, & J. Vazquez (Orgs.), Aplicación Murillo: Materialismo, charitas, populismo (pp. 273-288). ICAS/Ayuntamiento de Sevilla.

[2018] Vidal, C. (2018). La sombra total: Arte, amor, ciencia y política en Alain Badiou. Brumaria.

[2018]. Vidal, C. (2018). Amor e morte, arte e olvido: Pensando em Nietzsche, Caravaggio, Jorge Semprún e Primo Levi, ou Vernichtungslager e Olvido: De Caravaggio a Primo Levi nada está esquecido. In D. Corbeira, H. Coria, H. López-Castrillo, P. J. Mariblanca, & P. P. Varela (Orgs.), Olvidar / Forgetting. Brumaria.

[2015] Vidal, C. (2015) Invisualidade da pintura: Uma História de Giotto a Bruce Nauman. Fenda.

[2011] Vidal, C. (2011). Deus e Caravaggio: A negação do claro-escuro e a invenção dos corpos compactos. Vendaval.

[2002] Vidal, C. (2002). A representação da vanguarda: Contradições dinâmicas na arte contemporânea. Celta.

Esta publicação também está disponível em: Inglês