PALESTRA

PALESTRA

Massimo Canevacci visita UAlg a convite do CIAC

O antropólogo Massimo Canevacci, da Università degli Studi di Roma La Sapienza (Itália), atualmente Professor Visitante na Universidade de São Paulo (Brasil), ministrará no próximo dia 19 de maio, pelas 17h30, na Universidade do Algarve, na Sala de Actos da Faculdade de Economia, a palestra “Etnografia Digital (ou Sincretika Digitalia)”. A sessão será focada na apresentação dos conteúdos da obra “SincrétiKa — Explorações Etnográficas sobre Artes Contemporâneas”, da sua autoria.

O evento, organizado pelo CIAC em parceria com o CIEO (Centro de Investigação sobre Espaço e Organizações), surge na sequência da deslocação do antropólogo italiano ao IV Encontro Anual da AIM – Associação de Investigadores da Imagem em Movimento, a realizar-se, este ano, na Universidade da Beira Interior.

Sobre a palestra:

A palestra pretende explorar a relação reflexiva entre o método etnográfico e a cultura digital. As transformações entre metrópole comunicacional, ubiquidade subjetiva, tecnologia digital apresentam potencialidades conflitualmente descentradas e mimeticamente ambíguas baseadas na auto-representação. Os conceitos-em-montagem de imaginação exata, conectividade multividual, fetichismos visuais e estupor metodológico são filtrados através da cultura digital numa perspectiva tendencialmente pós-dualista e numa composição experimentalmente polifónica.

O método etnográfico encontra-se, assim, menos ligado a uma disciplina (antropologia cultural) e mais expandido segundo características “indisciplinadas” e “ubíquas”. A metrópole muda e o tríptico comunicação-cultura-consumo é sempre mais determinante na experiência quotidiana nos interstícios transurbanos e nas redes sociais. É precisamente neste contexto que se manifestam narrativas descentradas, performances urbanas, fluxos digitais, mistura de arte, publicidade, design, arquitetura, cinema, musica, moda, desporto. Emerge uma deslocante cidadania transitiva e uma critica política horizontal sobre a divisão comunicacional do trabalho baseada sobre “quem-representa-quem”. O conceito de “digital auratic reproducibility” apresenta-se como o fluxo da comunicação digital que sincretiza aura e reprodução.

A visão crítica da teoria é adequada a este modelo fluído de fazer pesquisa. A teoria é orientada através da pesquisa e, na sua imanência processual, precisa de incorporar referências lógicas, estéticas, expressivas em direção de relevar tendências progressivas das culturas e da comunicação contemporâneas. Por isso, o modelo de influência e de transformação é uma teoria crítica experimental por conseguir atingir os três níveis do projeto: abstração teórica, imanências empíricas e elaboração compositiva.

Sobre o palestrante:

MASSIMO CANEVACCI é professor de Antropologia Cultural e de Arte e Culturas Digitais na Faculdade de Ciências da Comunicação, Universidade de Roma “La Sapienza”. Desde 1984 ensina e faz pesquisa também no Brasil. Pela pesquisas sobre São Paulo, recebeu em 1995 do Governo Federal Brasileiro a “Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul”. Como professor visitante atuou em diversas universidades europeias, americanas, em Tóquio (Japão), em Nankin (CUCN), Florianópolis (UFSC), Rio de Janeiro (UERJ), São Paulo (ECA-USP). Atualmente é professor visitante na Universidade de São Paulo (IEA-USP).

Algumas Publicações:

Sincrétika. explorações etnográficas sobre artes contemporâneas, Studio Nobel, 2014

A linha de pó, Annablume, 2012 (The Line of Dust. The Bororo Culture between Tradition, Mutation and Self-representation Wantage, Sean Kingston Publ., Canon Pyon, 2013)

A cidade polifônica (Studio Nobel, 2011³)

Fetichismos visuais (Ed. Atelier, 2008)

Culturas extremas (DpA, 2005),

(forthcoming) Lusophone Hip Hop. “Who we are” and “Where we are”: identity, urban culture and belonging (ed. M. Canevacci – R. Martins), Canon Pyon, Sean Kingston Publ.

Veja aqui as principais fotos do evento: